Sem categoria

Estrasburgo – lua de mel

Postado dia 19 de outubro de 2017

Estrasburgo foi um lugar que apareceu em cima da hora na nossa programação de lua de mel, pois a princípio pretendíamos passar nove dias na suíça, mas como falei no post anterior a suíça é muito cara, hotel, comida, enfim, tudo bem mais caro do que em outros países próximos, então começamos a ver quais lugares nós poderíamos viajar a partir de Zurique e descobrimos que existe uma infinidade, praticamente toda a Europa hahaha, muitos lugares legais, mas queríamos que a viagem de Zurique para esse novo destino durasse menos de três horas, assim não ficaríamos muito tempo dentro do trem, então escolhemos Estrasburgo, não só pela distância, mas também porque a cidade é a capital da Alsácia, região mundialmente famosa pelos seus vinhos brancos, nem precisa falar mais nada né?

Originalmente Estrasburgo fazia parte do império Franco, até acontecer a Guerra Franco-Prussiana, onde a cidade passou a fazer parte do território alemão. Depois da I Guerra Mundial, com o Tratado de Versalhes a cidade voltou a fazer parte da França, mas durante a Segunda Guerra foi dominada mais uma vez pelos alemães e depois da guerra voltou a ser francesa. Ô bagunça hein! HAHAHA Toda essa mudança territorial acontece, logicamente, pela cidade estar na fronteira dos dois países, o que não deixa de ser interessante tanto para a história, quanto para a arquitetura e para a cultura do povo de lá, que geralmente falam francês e alsaciano, que é um dialeto considerado alto-germânico. Outra informação interessante de saber é que Estrasburgo é a capital do Parlamento Europeu, simplificando, a capital da Europa minha gente.

Eu amei muito Estrasburgo, muito mesmo, talvez até mais do que Zurique. Estrasburgo é uma cidade muito romântica, cheia de cantinhos lindos e construções de cair o queixo. Tudo é mais barato lá do que em Zurique, apesar da moeda utilizada ser o euro. E a única coisa que achei mais ou menos foi o atendimento em certos lugares, mas isso é detalhe diante de tantas outras coisas boas.

Vamos começar com a dicas em si.

Hospedagem

O melhor lugar para se hospedar é no centro histórico, mais conhecido como Grande Île, pois fica perto dos pontos turísticos mais populares, ou seja, perto da Catedral de Notre-Dame, do Palácio de Rohan e dos shoppings, por lá sempre vão ter bons hotéis, restaurantes e pessoas.

Pertinho da Catedral tem o Hotel Cathédrale, o Hotel Kammerzell, o Hôtel Suisse e alguns outros hotéis bem avaliados pelo Booking e tripadvisor, mas mesmo que você não fique colado na catedral as opções por essa área mais turística são boas.

Nós ficamos hospedados no Hotel Roses, localizado a menos de um quilômetro da catedral, pois o preço estava mais baixo do que os citados acima. E foi ótimo, pois durante esse percurso vimos cada casa/restaurantes lindos, que dava vontade de parar para tirar foto em tudo. O hotel é ultra aconchegante, todo decoradinho com rosas, mas os quartos são pequenos, fator que não incomodou a gente, porque não tínhamos muita bagagem, mas que deve ser levado em conta. Na época não lembro quanto pagamos, mas hoje a diária está uns R$300, para duas pessoas. Se você fizer a reserva por esse link do Booking: https://www.booking.com/s/11_6/th0lia82 você ganha R$50 de desconto e eu também ganho um desconto na minha próxima reserva!

O aquecimento do quarto era super eficiente, o que é muito importante, pois quando fomos, na metade de novembro era outono estava uns 4⁰C durante o dia e zero à noite. Sim, Estrasburgo é extremamente fria, mais linda sempre.

Quando reservamos o hotel, acabamos reservando sem café da manhã, pois estava 15 dólares a mais com essa opção. E isso foi ótimo, pois pudemos explorar algumas padarias e cafés na cidade. Não tem lugar melhor para você tomar café na rua do que na França! Me enchi de croissants.

Transporte

Como já falei, fomos de Zurique para Estrasburgo de trem. Saímos da estação principal de Zurique em direção à Basel ou Basiléia (que é a cidade suíça que fica na fronteira entre os dois países) e nessa cidade trocamos de trem. Percebi que os trens utilizados na Suíça são mais novos e modernos do que os trens franceses. Enfim chegamos à Estrasburgo e desembarcamos na principal estação de trem chamada de Gare de Strasbourg.

Da estação principal nós pegamos um Tram ou Tramway, que é um transporte coletivo ecologicamente correto e bem comum na Europa. Ele é elétrico, não polui e não faz barulho. Compramos o bilhete do tram em uma máquina ainda dentro da estação e existem alguns pontos onde ele para, como se fossem pontos de ônibus. Nesses pontos de ônibus você tem que validar os seus bilhetes, depois disso é só entrar tranquilamente dentro do tram. As vezes uma pessoa entra no tram para ver se você validou o bilhete ou se está tentando passar a perna, duas vezes que estávamos dentro no veículo essa pessoa entrou.

Outro meio de transporte super popular em Estrasburgo são as bicicletas. Me impressionou muito ver que praticamente todo mundo usava bicicleta, do estudante ao cara com paletó e gravata. Perto da universidade o fluxo de bicicletas é tão grande que as ciclovias são duplicadas.

Mas para nós, meros turistas, o meio de transporte mais utilizado foram as pernocas mesmo, andamos muito e é uma delícia andar em um lugar como aquele, no qual qualquer esquina tem algo encantador pra te mostrar.

Ah, esqueci de falar que tem carro também, mas a quantidade de carros não é muito grande na cidade.

Língua

Como vocês já leram a língua oficial é o francês, mas algumas pessoas falam o alsaciano. E você que não fala francês e muito menos o alsaciano o que fazer? Bom, é claro que dá pra se comunicar em inglês, mas não é em todos os lugares. Assim que chegamos em Estrasburgo queríamos saber como fazer pra comprar o bilhete do tram e perguntamos para um garoto, que deveria ter uns 16 anos, mas ele não falava inglês e não pode nos ajudar. Nos lugares mais turísticos tem pessoas que falam inglês, é claro, mas fomos em alguns shoppings e restaurantes que os atendentes e garçons não falavam inglês e teve que ser na mímica hahah.

E quando for se prepare, pois sempre eles vão falar primeiro em francês. Fui na loja comprar uma luva e a moça que estava no caixa perguntou algo em francês pra mim, em inglês eu respondi que não falava francês e ela me deu uma olhada de desprezo que lembro até hoje hahaha e depois não falou mais nada, mas essa foi a única vez que aconteceu isso.

 

Lugares para visitar

O mais legal de Estrasburgo é se perder pelas suas ruelas e andar até cansar, e quando cansar parar em uma creperia, se abastecer, descansar um pouco e voltar à andança. E enquanto você tiver andando vai passar por esses lugares:

Detalhe da porta de entrada da catedral

  • Catedral de Notre-Dame de Estrasburgo

É O ponto turístico da cidade, quem for à Estrasburgo, com certeza vai visitá-la. O estilo de sua arquitetura é gótico e tanto fora quando dentro tem uma riqueza de detalhes que impressiona. Essa catedral levou mais de quatro séculos para ser construída (1015 a 1439) e na verdade nem foi terminada ainda, pois ano passado quando visitei estavam construindo a sua segunda torre, que durante a construção original não foi levantada porque acabou o dinheiro.

Para entrar na catedral não precisa pagar, mas veja bem o melhor horário para ir, pois tem fila para entrar e eles delimitam o espaço que você pode explorar com aqueles divisores de fila de aeroporto, sabe? Apesar de delimitarem o espaço eles não estabelecem quanto tempo você pode ficar lá dentro.

Uma das áreas mais visitadas dentro da catedral é o relógio astronômico, que ao meio dia e meia badala os sinos, caso você queira ver isso acontecer tem que pagar €2, esse valor é cobrado para todas as pessoas que entrarem depois da catedral a partir das 11:30. Nós não pagamos para entrar, mas ficamos tanto tempo dentro da catedral que acabamos pegando um horário no qual os sinos tocaram e as estátuas dos apóstolos dentro do relógio começaram a se mover. É bem legal de ver, mas não sei se pagaria €2 só para ver os sinos badalarem e ele se movimentar.

Dentro da catedral tem uma lojinha, que tanto eu quanto o Kelvin amamos MUITO, o melhor é que as coisas são baratinhas. Nós compramos uma imagem da Santa Ceia por €7 e além de imagens eles tem pesos de papel representando o vitral lindo que tem na catedral, ficamos babando nesse peso de papel e não compramos, nos arrependemos muito depois =/

É possível subir no “terraço” da catedral e ter uma vista panorâmica da cidade, para isso você tem que pagar €5 e ter muita disposição para subir os 332 degraus. Eu indico fazer isso, porque da vista da cidade é única! Tiramos várias fotos lá do alto.

Vista enquanto estava subindo para o terraço

Dica: Ah, Estrasburgo é muito famosa pela universidade, tem muitos estudantes lá, então em todos os pontos turísticos eles dão desconto para estudante, mesmo que a sua carteirinha esteja em português.

  • Museu da Alsácia

Esse museu é bem legal de visitar, porque ele mostra o que as pessoas tinham dentro de suas casas e seus costumes durante os séculos XVIII e XIX. Lá você vê vários móveis em madeira, roupas da época, objetos em cerâmicas, brinquedos, imagens de santos etc.

Achei um brinquedinho com meu nome

Dentro do museu tem uma área aberta que é bem bonita. Nas pilastras é cheio de plantas e o ambiente é muito bom. Para entrar precisa pagar €6,5.

Museu da Alsácia

  • Petit France

Lugar obrigatório para quem vai à Estrasburgo! Esse é um bairro bem charmoso, bem francês, cheio de flores, canais e o mais antigo da cidade.

Casinhas na Petit France

O local é patrimônio da Mundial da Unesco por conter construções únicas dos séculos XVI e XVII. A arquitetura do local é formada principalmente pelas casas em estilo germânico, com madeiras um bloco e outro. Na época eles faziam isso, pois seria mais fácil de desconstruir a casa ou mudar a formatação da mesma.

Sempre tem lugar pra tirar fotos

Esse bairro é muito romântico e bem cara de França, com mesinhas do lado de fora dos restaurantes, flores na margem do canal e nas casas também, além dos shoppings que vendem tudo, de ímã de geladeira à rolo de abrir massas.

Eu amei esse lugar, é muito incrível. Se pudesse voltaria lá com toda certeza. Olhem as fotos e entendam do que eu estou falando. Imagina ir durante a primavera, deve ser mais incrível ainda.

  • Palais des Rohan (Estrasburgo)

Esse palácio fica bem perto da Catedral de Notre-Dame e ficava bem pertinho do hotel que estávamos hospedados. O estilo arquitetônico é barroco e teve várias inspirações das construções de Paris durante o século XVIII. Dentro desse palácio tem três museus, o Musée des Arts Décoratifs, Musée Des Beaux-Arts e Musée Archéologique. Não entrei em nenhum, pois não sabia que estavam abertos :~ (muito anta né?), para entrar em cada museu tem que pagar  €6. Li várias pessoas falado que você teria que passar um dia inteiro para visitar os três museus, de tanto de informação que têm neles. Eu já achei incrível a faixada, imagina entrar nele, seria lindo.

  • Shoppings

Ao redor da Praça Kleber, maior praça no centro da cidade e cheio de lojas vendendo roupas, calçados, maquiagens, e muitas outras coisas. Algumas da lojas são Galerias Lafayete, Sephora, Mango, Jackwolfskin (onde eu comprei uma bota pra neve, pois estava fazendo muito frio quando fomos e meus pés estavam congelando hahaha). O comércio e a praça ficam bem perto da catedral e indico vocês reservarem um período para andar por ali.

Lembre-se que vale também fazer a rota do vinho por toda a região da Alsácia, nós fizemos e talvez eu escreva um futuro post sobre essa aventura. Além disso, se deixe levar pelos restaurantes fofos de Estrasburgo, dificilmente você vai achar um que não goste!

Espero que tenham gostado e que voltem sempre por aqui.




Thália Gama
Botânica, amante de viagens, aventuras, brigadeiro, e tudo o que há de bom nessa vida. Casou com um singaporeano e decidiu viver do outro lado do mundo.

POSTS RELACIONADOS

Você também pode se interessar pelas postagens abaixo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentarios

Comentarios