Ásia

Tudo sobre Hong Kong!

Postado dia 21 de julho de 2017

Hoje chegou a vez de Hong Kong subir no palco. Esse foi um lugar que me assustou um pouco e depois me surpreendeu, nessa ordem mesmo, já já eu conto com mais detalhes os motivos, agora é hora de falar sobre o que é Hong Kong. É um país, uma cidade ou um estado? Bom, Hong Kong é uma região administrativa especial da República Popular da China, ou seja, teoricamente, Hong Kong é um país independente, com suas próprias regras, moeda, e cultura, falando nisso vale ressaltar que os chineses precisam de visto para entrar em HK e vice-versa

 Victoria Peak

Vista do Victoria Peak

Um pouco de história

Hong Kong foi colônia inglesa do século 19 até 1997 (bem recente), quando então retornou ao governo chinês sob o acordo de “um país e dois sistemas”, durante esse “acordo” a China falou que HK poderia ter seu próprio governo, contanto que o governo Chinês escolhesse os políticos, sim… isso acontece até hoje e a população é revoltada contra os chineses por causa disso. Teve protesto atrás de protesto para mudar esse regime e em 2014, um dos maiores protestos chamou atenção mundial e ganhou o nome de Revolução dos Guarda-Chuvas, visto que a população foi às ruas com guarda-chuvas para se protegerem contra spray de pimenta da polícia.

Atualmente, o regime continua sendo o mesmo, o que gera uma raiva do povo de Hong Kong contra os chineses. Antes de irmos para lá várias pessoas nos alertaram de que era melhor falar primeiro em inglês e caso eles não entendessem o Kelvin poderia falar em mandarim, pois assim eles saberiam que não somos chineses. O tratamento pode ser bem diferente… é real, chegamos a presenciar uma rispidez contra um casal chinês.

Hong Kong tem duas línguas oficiais, o inglês e o chinês, esse sendo o tradicional, com caracteres bem complexos ou o cantonês que é um dos dialetos chineses.

A moeda utilizada no país é o Dólar de Hong Kong (HK$).

O que eu achei de Hong Kong

Em um primeiro momento eu fiquei assustada, pois quando ainda estava no aeroporto jantando um cara começou a gritar em cantonês dentro do restaurante, mas era grito de escutar de dentro do avião, de tão alto hahaha. Ele tava reclamando que não tinha recebido o pagamento do produto que ele vendia para o restaurante, falou que o dono não prestava e enfim, maior barraco, até que chegou a polícia e perdeu a graça ahahaha

No dia seguinte, resolvemos sair para tomar café, e lá todo mundo estava comendo comida, o que não é muito diferente de Singapura, mas me chamou atenção é que no cardápio não tinha nem a opção de comer um pãozinho ou algo do tipo, era tudo prato com arroz, noodles ou dim sum.

HK é superpopuloso, um dos locais com mais gente por metro quadrado do mundo, então chega a ser caótico, mas foi isso uma das experiências que mais gostei, porque era assim que eu imaginava a Ásia, antes de vir morar pra esses lados do globo.

Apesar de todos esses pontos que citei acima, eu gostei muito de Hong Kong. Achei o lugar muito intenso e encantador.

Em HK tudo é bem sinalizado, o transporte público é ótimo, em todo o lugar tem wi-fi e o local te surpreende principalmente por ter tudo o que um turista quer ver um uma viagem, natureza, parques, shoppings, gastronomia típica, vida noturna, museus, templos festivais e muitas atividades para fazer. E com tantas opões o que fazer em Hong Kong?

Lugares para visitar

Bom, essa é uma pergunta difícil, depende muito do seu gosto e estilo, mas vou colocar aqui alguns dos locais mais visitados em geral.

1 – Victoria Peak

Esse foi um dos lugares que eu mais gostei. É o ponto mais alto de Hong Kong. De lá você tem uma vista incrível da vibrante metrópole, do verde das árvores e da baía. Para chegar no topo você pode escolher em fazer a trilha, que é de graça, ou pegar o Peak Tram, que é bem parecido com o trenzinho que te leva para o Cristo Redentor no Rio de Janeiro

peak tram

Esse Peak Tram custa HK$90 ida e volta e te dá direito a entrar no Sky Terrace 428, que é simplesmente um terraço com uma vista de 360 graus de Hong Kong. O trenzinho te deixa dentro de um prédio que parece um shopping e é só você ir subindo as escadas rolantes que vai chegar onde fica a entrada do Sky Terrace 428.

Eu fui de manhã no Victoria Peak e gostei, mas tem muita gente que diz que o melhor horário para ir é durante o pôr do sol, pois você consegue pegar a cidade escurecendo e as luzes dos prédios acendendo.

Dica: se você for de manhã vá bem cedinho, porque a fila pra comprar o ticket fica gigante. Outra forma é ter o Octopus Card, que vou falar mais adiante, com esse cartão você consegue entrar em praticamente qualquer ponto turístico sem precisar entrar em filas para comprar tickets.

2 – Venue of stars – Tsim Sha Tsui East Promenade

Essa é outra região bem popular, mas infelizmente a Venue of Stars entrou em reforma em junho (2017) e não consegui ver as estátuas em homenagem aos grandes atores e demais artistas, mas andei bastante e sentei em um dos bancos que tem no Kowloon Public Pier, de lá você consegue ter uma vista incrível do skyline de Hong Kong, acredito que seja um dos melhores lugares pra ter essa vista. Os prédios comerciais fazem uma apresentação à laser todo dia as 20h, mas aviso logo que não vale à pena ficar, achei muito brocochô essa apresentação.

venue of stars

3 –Big Buddha e Po Lin Monastery

Esse lugar é incrível. A estátua Tian Tan Buddha, conhecida também como Big Buddha foi construída em 1993, é de bronze e tem 34 metros de altura. Os olhos, lábios a cabeça inclinada e a mão direita levanta indicam que Buddha está lhe abençoando. Para chegar bem pertinho da estátua você deve subir 268 degraus, sim, os budistas acreditam que você não deve ter as coisas sem fazer esforço algum. De lá do alto você tem uma visão linda das montanhas e da copa das árvores que cercam o local.

big buddha

O templo no monastério é bem bonito também, antes de chegar nele tem um jardim cheio de flores e um portal, não sei como se chama, mas é uma construção típica chinesa, vou deixar a foto aqui embaixo. Lá você vai ver muitas pessoas rezando da maneira deles, queimando incensos, jogando algo que parece uma concha no chão, se cair de um lado significa sim e se cair do lado oposto significa não, então você faz uma pergunta e joga a concha para ver a resposta e você também vai ver os detalhes maravilhosos na construção do templo.

Po Lin monastery

Reserve pelo menos uma manhã para ir nos dois, tanto no monastério como na estátua do Buddha, ambos estão localizados na Ilha de Lantau e o jeito mais fácil de chegar lá é pegando o metrô e descer na estação Ting Chung exit B e depois disso pegar o teleférico (Ngong Ping Cable Car) ou ônibus (New Lantao Bus 23 que sai da Ting Chung Town Centre).

O Ngong Ping Cable Car oferece preços de ida e volta ou só um trecho. Caso você queira ir e voltar no teleférico o valor é HK$185 (meio salgado, mas indico esse, porque o ônibus pode demorar pra chegar e a vista do teleférico é bem bonita). O valor só de um trecho é HK$130, vale lembrar que esse valor é para a cabine comum. Eles também têm uma cabine mais “luxuosa” que chama Crystal cable car, mas a única diferença é o piso da cabine que é transparente. Essa por sua vez custa HK$240.

hong kong

Para quem optar em pegar o ônibus ele custa HK$17 um trecho, mas é preciso ter o dinheiro certo contado, senão você não consegue embarcar. Quem tiver o Octopus Card com o valor necessário pode usá-lo. Pegamos o ônibus quando estávamos voltando do Big Buddha, mas como não sabíamos que tinha que ter o dinheiro certo, não pudemos embarcar e tivemos que ‘trocar’ o dinheiro, o segundo ônibus veio só uns 15 minutos depois, a viagem foi boa, mas tinha uma senhora atrás de mim que falava tão alto que me incomodou bastante.

4 – Man Mo Temple

O que não falta em Hong Kong é templo para visitar, esse é um dos mais tradicionais e faz tributo ao Deus da Literatura (Man) e o Deus da Guerra (Mo), ambos eram adorados principalmente pelos estudantes ambiciosos que buscavam sucesso nos exames. Esse templo foi construído em 1847 e é o maior templo em Hong Kong que cultura os deuses Man e Mo. Esse fica na Hollywood Road, nº 124 – aproveite para caminhar pela Hollywood road, você vai ver lojas incríveis de colecionadores.

man mo temple

O templo não é tão grande assim, mas tem muito incenso, até pendurados nos tetos, pois algumas famílias pedem para acender e substituir sempre que eles acabam. As imagens dos deuses taoístas são presentes, bem como as frutas que os devotos levam para oferecer aos deuses. No prédio ao lado tem um columbário, onde ficam as cinzas de várias pessoas que morreram.

5 – Feiras de rua

Chegou a vez das feiras ou mercados. O que mais tem em Hong Kong é feira de rua e eu não aguentava mais ir em feira. Em um dia fui em 4 e digo que praticamente todas são parecidas. Vou listar aqui apenas três, mas caso você queira saber de mais algumas pode comentar aqui que eu tenho uma lista hahaha, tem até um mercado de brinquedos, Toy Market.

  • Temple street night MarketIMG_8314

Os vendedores começam a montar a sua barraquinha às 16h, mas o melhor horário para ir é às 18h, quando todos já estão lá. O que me chamou mais atenção nesse mercado de rua foi a quantidade de barraca de vidente, cartomante e leitura de mão, à medida que você entra na feira vai ver de tudo, bolsa, relógio, eletrônico, roupa, antiguidades, ímã de geladeira, produto de decoração e todas essas bugigangas.

Para chegar lá é só descer na estação de metrô Yau Ma Tei, exit C. E já que esetá no street night Market aproveitaa e dá um pulo no templo Tin Hau, que fica bem pertinho.

  • Ladies Market

Tem praticamente as mesmas coisas que o Night Street Market, no entanto a maior parte dos produtos é voltado ao público feminino, de todas as idades. Esse mercado não tem os videntes, fica perto de Monk Kong (o bairro gastronômico), e ao redor do Ladies Market não falta lugar para para fazer massagem nos pés.

Para chegar lá desça na estação Mong Kok do metrô, Exit E2. Ande na Nelson Road por dois quarteirões e pronto.

ladies market

  • Flower market

Não sei se posso chamar esse de mercado ou feira, pois é muito diferente dos outros mercados que fui em Hong Kong. Como o nome já diz, esse é um mercado de flores, mas na verdade é uma rua com várias floriculturas bem baratas, algumas das floriculturas deixam parte das flores nas calçadas, mas não consideraria um mercado, pois pra mim mercado é no asfalto, para o trânsito e tem barracas. Mas caso você goste de flores, vale a visita.

flower market

6 – Hong Kong Heritage Museum

Não cheguei a ir no museu, mas para aqueles que querem entender um pouco mais da história de Hong Kong esse lugar é imprescindível. O museu possui 12 galerias contando a história, cultura e artes de uma Hong Kong antiga.

O museu também tem uma coleção de pinturas chinesas do artista Zhao Shao’ang e uma exibição do desenvolvimento da ópera cantonesa.

Para entrar você precisa pagar HK$10, meia HK$5, e nas quartas-feiras a entrada é grátis. Para chegar no museu bastar ir para a estação de metrô Che Kung Temple e sair na Exit A.

7 – Disneyland

Disney é Disney em todo lugar é gente, que dizer… em todo lugar onde tem o parque. Não cheguei a ir na Disney, pois não teria tempo para ficar um dia no parque, mas tenho amigos que foram e gostaram muito, no entanto disseram que é mais voltado para o público infanto-juvenil e não para adultos que procuram aventura e montanhas russas, mesmo assim queria ter ido.

Lá também acontece a queima de fogos à noite, você vê o Mickey, tem castelo da cinderela e é a claro que tem a magia da Disney.

O valor para entrar no parque é uma pequena bagatela de HK$589, outro motivo por eu não ter ido. A Disney fica em Lantau, mesma ilha do Big Buddha, no entanto você deve desembarcar na estação Sunny Bay.

8 – Ocean Park

Também não fui, pois é outro parque que você fica o dia inteiro lá. Esse é uma mistura de parque temático com zoológico, me falaram que é muito legal, pois tem brinquedos que oferecem mais adrenalina que os da Disneyland, um dos mais famosos é a montanha russa Hair Raiser. A vista do parque é muito bonita, por ele ficar em cima de uma montanha.

Uma dica é começar a explorar o passeio do outro lado da ilha, pois lá o parque não vai estar tão lotado e os brinquedos estarão vazios, para isso você vai precisar pegar o teleférico.

A entrada no parque é HK$438, meio salgado, mas você pode conseguir valores mais baratos em alguns sites de agência de turismo. Vi que uma pessoa comprou mais barato pelo aplicativo do Klook e funcionou, mas nunca testei para avaliar.

9 – Roof Top Bars e Lan kwai fong

Com a quantidade de prédios que tem em Hong Kong é claro que o lugar seria uma referência em bares que ficam no topo desses prédios. Fomos apenas em três, mas existe uma infinidade. Vou deixar aqui o nome dos sete mais populares.

Wooloomooloo

Cé La Vi – fui nesse, a vista não é muito boa!

Ozone – Os drinks desse roof top bar são maravilhosos. Ele fica no prédio mais alto de Hong Kong, que é um dos mais altos do mundo. Gostei, mas ele possui vidro de proteção em toda a sua extensão.

Sevva

Eyebar

Sugar

Skye – Esse é bacana também, gostei que ele é todo aberto.

IMG_7840

Lan Kwai fong é uma área popular de Hong Kong por ter barzinhos e bons restaurantes, mas não me surpreendeu. Achei a região muito pequena os preços muito caros.

10 – Sky 100

Esse é um dos pontos mais altos de observação 360 graus em Hong Kong, ele fica no 100º andar do International Commerce Centre em Kowloon. Apesar de ter ido no Victoria Peak e quis ir no Sky 100 pra ver a vista e valeu a pena pra mim, pois eu gosto de ir em lugares onde eu possa ter uma vista panorâmica da cidade. Lá dentro você consegue tirar umas fotos com o Bruce Lee, com os prédios mais altos do mundo e é claro da vista.

O valor para entrar no Sky 100 é de HKD168, mas tem desconto caso você compre online.

sky 100

Quantos dias ficar e quanto dinheiro levar

Eu não recomendaria ficar menos de quatro dias, pois foi a quantidade de dias que eu fiquei e como vocês viram acima ainda teve muita coisa que eu perdi. Preciso voltar!

Leve em conta que a Disneyland vai lhe tomar um dia inteiro, bem como o Ocean park, só aí já foram dois dias.

Colocaria o Victoria Peak em um dia, junto com Temple street night Market e Venue of Stars.

No quarto dia, iria para o Big Buddha e Po Lin Monastery, Man Mo Temple, aproveitaria para andar um pouco pelo centro, passar na Hollywood road e terminaria o dia em um dos roof top bars.

No quinto dia, iria para os outros mercados, conheceria Mong Kok, visitaria o Hong Kong Heritage Museum e iria para no Sky 100.

Leve em consideração que tem lugares que você vai gostar mais que outros e provavelmente vai querer voltar.

Em relação à quanto dinheiro levar, isso depende muito do seu estilo de viagem, mas caso você vá na economia eu aconselho levar pelo menos HK$350-400 por DIA. Hong Kong não é um local barato, para quem não come comida local.

Além disso, bebida alcoólica é cara, muito! Mas eletrônicos, sapatos e roupas são mais baratos quando comparados ao Brasil. Hong Kong é assim, pesa de um lado, mas compensa de outro.

Uma dica importante é comprar os tickets (do peak tram, Disneyland, Ocean Park, Sky 100) online, muitas vezes eles dão 10% de desconto nas comprar online.

Ouvi dizer que pegar táxi é super barato, mas esse foi o único meio de transporte que não usamos, de resto (tram, metrô-MTR, ônibus e até teleférico pegamos).

Super Importante: Hong Kong possui vários tipos diferentes de cartão de transporte (algo similar ao bilhete único de São Paulo) e tem um que é o mais popular, chamado de Octopus Card, que é um cartão pré-pago. Assim que você sair do aeroporto, ou em qualquer estação de metrô você pode comprar o seu Octopus Card por um valor de HK$50 (que eles chama de depósito), assim que comprar coloque crédito nele para poder utilizar. Esse cartão pode ser usado em metrô, ônibus, tram, ferries, e até mesmo para entrar no Peak Tram e em alguns outros pontos turísticos. Algumas lojas e supermercados também aceitam o Octopus card, o que significa que ele também funciona como cartão de crédito. Enfim, multifuncional esse cartão. E assim que sua viagem acaba é possível devolver o cartão e receber a quantidade de dinheiro que ainda tem nele + HK$43 de depósito.

Essa postagem de Hong Kong ficou bem longa e olha que não escrevi nada sobre as comidas, não sei se vocês perceberam. Terça-feira sai o post sobre onde e o que comer em Hong Kong. Por enquanto me segue nas redes sociais (em todas @13stamps) e comenta aqui embaixo se você tem vontade de ir em HK ou não hahaha.

Até mais.




Thália Gama
Botânica, amante de viagens, aventuras, brigadeiro, e tudo o que há de bom nessa vida. Casou com um singaporeano e decidiu viver do outro lado do mundo.

POSTS RELACIONADOS

Você também pode se interessar pelas postagens abaixo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comentarios

Comentarios